Carros que ninguém conhece: Mini Tupi 175

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

O Tupy Mini foi uma ideia de carro compacto desenvolvida pela Tupy Veículos Especiais Ltda., que fabricou buggies e réplicas do Jeep 51 com mecânica VW a ar entre 1979 e 1983).

Pouco maior que uma bicicleta e equipado com o motor VW1300, o Tupy deve ter uma agilidade invejável no trânsito. Fonte: Arquivo Pessoal.

Pouco maior que uma bicicleta e equipado com o motor VW1300, o Tupy deve ter uma agilidade invejável no trânsito. Fonte: Arquivo Pessoal.

Como a grande maioria dos fora-de-série brasileiros, o modelo usa a consagrada mecânica VW1300, nesse caso encurtada de forma que o pequeno carro tem apenas 2,63 metros de comprimento. Seu objetivo era oferecer uma solução alternativa para os já frequentes congestionamentos da grande São Paulo, através de um carro extremamente compacto e ágil, com lugar para apenas dois passageiros. O design do Tupi (Transporte Urbano Pessoal e Inteligente) foi criado por Denis Duete, um dos fundadores da Tupy, e teve influências de outros minicarros brasileiros como o Aruanda e o Gurgel Itaipu, além do buggy turco Anadol Böcek.

Diversos modelos influenciaram o design do Mini. Em sentido horário temos Aruanda, Gurgel Itaipu, Anadol Bocëk e o próprio Mini Tupi. Fontes: Respectivamente, Lexicar Brasil [1],

Diversos modelos influenciaram o design do Mini. Em sentido horário temos Aruanda, Gurgel Itaipu, Anadol Bocëk e o próprio Mini Tupi. Fontes: Respectivamente, Lexicar Brasil [1], Wikipedia [2], OpenISO [3] e Arquivo Pessoal.

O pequeno carro foi exposto no II Salão dos Veículos Fora-de-Série em 1987, e apresenta algumas soluções curiosas, como as portas sem maçanetas externas e que são abertas através de cordinhas, janelas que mesclam lona e plástico transparente, com a vedação através de zíperes e o painel que apresenta três bolsas que funcionam como porta objetos, tal qual a tendência difundida nos carros de hoje. Dez carros foram produzidos no período de um ano, até que elevados custos de produção forçaram a parada da produção. Pouco tempo depois a empresa encerrou as atividades, após cerca de 300 buggys e algumas poucas unidades da réplica do Jeep 51.

Fonte: Arquivo Pessoal.

Fonte: Arquivo Pessoal.

A traseira do Tupi carrega muito do design do Anadol Bocëk. Fonte: Lexicar Brasil [4].

A traseira do Tupi carrega muito do design do Anadol Bocëk. Fonte: Lexicar Brasil [4].

Ficha Técnica

Modelo
Mini 175
Fabricante
Tupy Veículos Especiais Ltda.
MOTOR
Localização
Traseira
Tipo
Gasolina, 4 cilindros contrapostos refrigerado a ar
Cilindrada
1285cm3
Diâmetro x Curso
77,0mm x 69,0mm
Taxa de compressão
6,6:1
Alimentação
Dois carburadores de corpo simples
Potência
38 cv a 4000 rpm (SAE)
Torque
9,1 mkgf a 2600 rpm (SAE)
TRANSMISSÃO
Manual, tração traseira, quatro marchas.
SUSPENSÃO
Dianteira: Não disponível.
Traseira: Não disponível.
DIREÇÃO
Não disponível.
FREIOS
Não disponível.
RODAS E PNEUS
Não disponível.
CARROCERIA E CHASSI
Carroceria de fibra de vidro, 2 portas, 2 lugares.
DIMENSÕES E PESO.
Comprimento
2630 mm
Largura
1580 mm
Distância entre-eixos
Não disponível
Peso
Não disponível
Porta-malas
Não disponível
DESEMPENHO
Velocidade máxima
Não disponível
Aceleração de 0 a 100 km/h
Não disponível
Consumo de combustível
Não disponível
Não disponível
Preço
Não disponível

 Fontes:

Guedes Jr., Luiz. Filho Único. Revista Fusca&Cia., ano 8, número 52.

Guedes, Luiz. Espaço pra que? Revista Trip, ano 23, número 192.

Tupy. Disponível em: http://www.lexicarbrasil.com.br/tupy/. Data de acesso: 13/09/2016.

Gomes, Flávio. TUPY OR NOT TUPY. Disponível em: http://flaviogomes.grandepremio.uol.com.br/2009/08/tupy-or-not-tupy/. Data de acesso: 13/09/2016.

Imagens:

Arquivo Pessoal.

[1]: Adaptado de: Aruanda. Disponível em: http://www.lexicarbrasil.com.br/aruanda/. Data de acesso: 13/09/2016.

[2]: Adaptado de: Gurgel Itaipu. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Gurgel_Itaipu. Data de acesso: 13/09/2016.

[3]: Adaptado de: Anadol bocek. Disponível em: http://openiso.org/anadol-bocek.html. Data de acesso: 13/09/2016.

[4]: Retirado de: Tupy. Disponível em: http://www.lexicarbrasil.com.br/tupy/. Data de acesso: 13/09/2016.

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Carros que ninguém conhece: KV Mini

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

KVS_logo

Após a Segunda Guerra Mundial, começaram a surgir na Europa microcarros, pequenos automóveis, geralmente para dois passageiros e equipados geralmente com motores de motocicleta. No Brasil, chegamos a ter o Romi-Isetta, porém esses carros sempre foram modelos de nicho, que visavam oferecer um meio de transporte mais barato e econômico aos consumidores. Na França, esses carros são chamados Voiturettes, e apesar de ser um mercado pequeno, sempre existe um mercado cativo por esse veículos não exigirem carteira de motorista para serem guiados pelas ruas.

Romi-Isetta. Fonte: g1 [1].

Romi-Isetta. Fonte: g1 [1].

Diversas empresas entraram nesse segmento ao longo dos anos, incluindo a empresa Les Equipements Electriques K.V., que teve sua origem na fabricante de motocicletas SA Fabrique Lyonnaise de Motocyclettes New-Map et Motosacoche , e já vinha fabricando com algum sucesso diversas voiturettes. Essa recuperação, por sinal, foi liderada pelo contador da empresa, Robert Robin, que além de reestruturá-la financeiramente aproveitou a oportunidade para comprar ações da empresa, até adquirir o controle acionário. O antigo proprietário, Paul Martin se considerou traído por alguém que considerava como amigo, mas ainda assim aceitou o cargo de consultor técnico na empresa que até pouco tempo fora sua. Nesse clima foi lançado o utilitário chamado Solyto, equipado com motor Ydrax de 125cm³ e com capacidade para 350 kg de carga. O pequeno furgão de três rodas foi um sucesso, principalmente após a adoção de um sistema de transmissão automática continuamente variável também desenvolvido pela própria KV para o Solyto, baseado em correias Polly-V (semelhante ao usado pela DAF na época), desenvolvido por Joseph Spalek, antigo concessionário da empresa que se tornou o gerente da fábrica após a aposentadoria de M. Castellano, que foi uma das mentes por trás do Solyto. Nesse meio tempo, a empresa passou a investir na produção de componentes estampados, tendo na empresa de componentes elétricos KV seu maior cliente, e que eventualmente incorporou a New-Map mudando sua razão social.

New-Map Solyto. Fonte: Hemmings Daily [3].

New-Map Solyto. Fonte: Hemmings Daily [2].

Ainda nesse período, o Solyto teve sua aposentadoria programada, e o KV Mini foi lançado para substituí-lo em janeiro de 1970, equipado com motor de 125 cm³ e opção de cores verde metálico e cinza metálico. Apresentava várias características únicas, como o motor, projeto próprio da KV que contava com ignição eletrônica (adotada no Solyto em 1965, e que na época só era presente na Fórmula 1), e que podia girar nas duas direções, bastando para isso ativar um seletor no painel. Além disso, mantinha o sistema de transmissão continuamente variável,  que agora transmitia força para as rodas através de rolos de borracha pressionados contra os pneus (conceito semelhante ao de alguns brinquedos em parques de diversões, onde uma roda de automóvel transmite movimento do motor para o brinquedo através do contato com outro elemento circular).

Dois modelos Mini 1. À direita um modelo ano 1973 e a esquerda um fabricado em 1982, já com a marca KVS. Fonte: Microcar Museum [3].

Dois modelos Mini 1. À direita um modelo ano 1973 e a esquerda um fabricado em 1982, já com a marca KVS. Fonte: Microcar Museum [3].

Inicialmente este sistema contava com um kit para ajuste da tensão de contato entre os rolos e pneus, mas esse sistema foi abandonado em prol de um sistema não-ajustável de mais fácil operação. Era possível também comprar um kit, o único opcional do modelo, para utilização em terreno com neve, que consistia de lâminas raspadoras instaladas próximo as rodas traseiras para evitar o acúmulo de neve nos rolos de transferência. Em 1975 o carro passou a ser comercializado sob a marca KVS, o S vindo de Joseph Spalek, que adquiriu parcela majoritária da empresa naquele ano. Ainda foram desenvolvidos uma pequena evolução, o Mini 2 (vendido nas versões P, S, L, B, LS, SL e BL) e a versão Gad’Jet, com motor de 49 cm³. A década de 80, no entanto, viu uma redução na procura de microcarros que não exigiam licença na França, o que levou Spalek a decisão de encerrar a produção do Mini em 1989, após cerca de 2000 unidades produzidas.

O unusual trem de força do KV Mini combinava um um motor que podia girar em ambos os sentidos a uma transmissão CVT por correia com transmissão do movimento por contato direto. Fonte: Microcar Museum [4].

O unusual trem de força do KV Mini combinava um um motor que podia girar em ambos os sentidos a uma transmissão CVT por correia com transmissão do movimento por contato direto. Fonte: Microcar Museum [4].

Apesar de contar com uma mecânica que pode ser considerada até refinada, o interior do KV Mini é totalmente espartano. Fonte: Automobile Magazine [6].

Apesar de contar com uma mecânica que pode ser considerada até refinada, o interior do KV Mini é totalmente espartano. Fonte: Automobile Magazine [6].

Modelo
Mini 1
Fabricante
Societe Anonyme de KVS
MOTOR
Localização
Traseira
Tipo
Dois tempos, gasolina, 1 cilindro
Cilindrada
125cm3
Diâmetro x Curso
Não disponível.
Taxa de compressão
Não disponível.
Alimentação
Não disponível.
Potência
Não disponível.
Torque
Não disponível.
TRANSMISSÃO
Continuamente variável por correia Polly-V, tração traseira, com transmissão do movimento por rolos de borracha.
SUSPENSÃO
Dianteira: Não disponível.
Traseira: Não disponível.
DIREÇÃO
Não disponível.
FREIOS
não disponível.
RODAS E PNEUS
Rodas de aço 4,00×8″, com pneus.
CARROCERIA E CHASSI
Carroceria de aço, 2 portas, 2 lugares.
DIMENSÕES E PESO.
Comprimento
2.100 mm
Largura
1.120 mm
Distância entre-eixos
Não disponível
Peso                                180 kg
Porta-malas
Não disponível
DESEMPENHO
Velocidade máxima
60 km/h
Aceleração de 0 a 100 km/h
Não disponível
Consumo de combustível
Não disponível
Não disponível
Preço
15.845,00 F. (em 1979)

Fonte: Shusauto_Ru [5].

Fonte: Shusauto_Ru [5].

Fonte: Shusauto_Ru [5].

Fonte: Shusauto_Ru [5].

 

Fontes:

1973 KV Mini. Disponível em: http://microcarmuseum.com/tour/kv.html. Data de acesso: 12/05/2012.

1982 KVS. Disponível em: http://www.microcarmuseum.com/tour/kvs.html. Data de acesso: 12/05/2012.

Lieberman, Jonny; Concours d’LeMons Worst of Show: stone-driven 1980 KV Mini 1. Disponível em: http://www.autoblog.com/2009/08/23/concours-dlemons-worst-of-show-stone-driven-1980-kv-mini-1/. Data de acesso: 12/05/2012.

Bumbeck, Mike; Victorie de Citrons. Disponível em: http://clunkbucket.com/victoire-de-citrons/. Data de acesso: 12/05/2012.

ПримитивизЬм-2 или Budka-style. Disponível em: http://shushauto-ru.livejournal.com/39527.html. Data de acesso: 12/05/2012.

Cumberford, Robert; 1980 KV Mini 1. Disponível em: http://www.automobilemag.com/news/1980-kv-mini-1-design-analysis/. Data de acesso: 12/05/2012.

Imagens:

[1]: Retirado de: Monegato, Marcelo; Mini-carro Romi-Isetta completa 55 anos e ainda guarda segredos. Disponível em: http://g1.globo.com/carros/noticia/2011/09/minicarro-romi-isetta-complea-55-anos-e-ainda-guarda-segredos.html. Data de acesso: 18/07/2016.

[2]: Retirado de: Ernst, Kurtner; Small shipments only: 1967 Solyto Break Camping to cross the stage. Disponível em: http://blog.hemmings.com/index.php/2014/06/24/small-shipments-only-1967-solyto-break-camping-to-cross-the-stage/. Data de acesso: 18/07/2016.

[3]: Retirado de: 1973 KV Mini. Disponível em: http://microcarmuseum.com/tour/kv.html. Data de acesso: 18/07/2016.

[4]: Retirado de: 1982 KVS. Disponível em: http://www.microcarmuseum.com/tour/kvs.html. Data de acesso: 18/07/2016.

[5]: Retirado de: ПримитивизЬм-2 или Budka-style. Disponível em: http://shushauto-ru.livejournal.com/39527.html. Data de acesso: 12/05/2012.

[6]: Retirado de: Cumberford, Robert; 1980 KV Mini 1. Disponível em: http://www.automobilemag.com/news/1980-kv-mini-1-design-analysis/. Data de acesso: 12/05/2012.

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn