Endurance Brasil – 3 Horas de Santa Cruz do Sul

No dia 15 de junho será disputada a terceira etapa da Império Endurance Brasil. Prevista inicialmente para ser disputada no tradicional autódromo de Tarumã, a prova foi transferida para a pista de Santa Cruz do Sul por razões ligadas à segurança, segundo a CBA. O mesmo já havia ocorrido no início do ano, quando a prova 500 da Stock Car, prevista inicialmente para Tarumã foi transferida para o Velopark. Seguramente Tarumã precisa de melhorias quanto a sua segurança (e, francamente, isso vale para boa parte se não todos os autódromos brasileiros), porém há quem afirme que exista um fator político envolvido na severidade das obras exigidas…

Mas voltando ao que interessa, a prova na pista gaúcha promete disputas ainda mais intensas, com a estréia de novas máquinas e pilotos na categoria P1, e não será surpresa se alguns carros gaúchos que estiveram ausentes das primeiras etapas deem as caras nesta etapa. A última etapa disputada na pista, em 2018, marcou a estreia do AJR #11 com motor Honda K24 Turbo, que culminou com vitória do trio Emílio Padron, César Ramos e Fernando Fortes. Na verdade, o histórico da pista é muito favorável aos protótipos nacionais, especialmente os gaúchos, conforme atesta o histórico de vencedores das últimas etapas, com 6 vitórias dos gaúchos, e mais duas de outros modelos nacionais. Contudo, carreras son carreras, e se em Curitiba a vantagem era dos GTs e a prova terminou com vitória de um protótipo, o atual nível de equilíbrio do Endurance Brasil não permite prever qual será o resultado final da prova.

O recorde atual da categoria na pista foi estabelecido em 2018 por Sérgio Jimenez guiando um protótipo AJR, que marcou o tempo de 1:12.441. O recorde absoluto da pista é do piloto Matheus Iorio, que cravou uma volta em 1:10.060 à bordo de um monoposto de Fórmula 3, porém não será surpresa se esse recorde for ameaçado no próximo final de semana.

O campeonato até aqui:

Após as duas primeiras etapas a liderança na categoria força livre está com a dupla Xandy Negrão e Xandinho Negrão, seguidos pelo trio Pedro Aguiar e pelos irmãos Ebrahim. Em terceiro, está a dupla campeã de 2017, Marcel Visconde e Ricardo Maurício.

Na categoria P1, a liderança é da dupla Pedro Queirolo e David Muffato, que mesmo com problemas na etapa de Goiânia conseguiram percorrer a distância suficiente para acumular pontos importantes para o campeonato. Em segundo, novamente vêm trio do Ginetta #20, seguidos pelos vencedores da primeira etapa, o trio Vicente Orige, Tarso Marques e Carlos Kray.

Na categoria GT3, a liderança é também de Xandy e Xandinho Negrão, seguidos por Ricardo Maurício e Marcel Visconde e com Chico Longo e Daniel Serra na terceira posição.

Já na categoria P2, novamente nenhum carro completou a prova, mas ainda assim a liderança na tabela é da dupla de pai e filho Ney Faustini e Ney de Sá Faustini. Em segundo vem o time da MC Tubarão Paulo Sousa e Mauro Kern, com Jair Bana e Duda Bana na terceira posição.

Na GT3 Light, apenas duas duplas marcaram pontos, com a disputa mais acirrada entre todas as categorias até o momento.

Na P3, Carlos Antunes e Yuri Antunes já conseguiram boa vantagem, seguidos por Aldoir Sette e Marcelo Campagnolo. Na terceira posição na categoria estão os vencedores de Goiânia, Matheus Stumpf e Renato Stumpf.

Na GT4, empate na primeira colocação, dividida pelas duplas Alexandre Auler / Leandro Romera (Mercedes AMG GT4) e Renan Guerra / Kreis Jr (Ginetta G55 GT4).

Na P4, liderança folgada da dupla da equipe Motorcar, com 130 pontos de vantagem sobre Alejandro Cignetti e Marcelo Miguel.

Por fim, na GT4 Light, também é grande a vantagem de Arthur Caleffi sobre seus companheiros na etapa de Goiânia, Marcelo Lemke e Rodrigo Lemke.

Programação da Prova

13 de junho de 2019 – Quinta-feira

7h às 12h – Montagem das equipes
9h30 às 17h30 – Secretaria/Inscrições
11h às 12h – Briefeing chefes de equipe
13h30 às 17h30 – Treino Extra – Todas as categorias

14 de junho de 2019 – Sexta-feira

8h às 19h – Secretaria/Inscrições/Combustível
8h30 às 9h30 – Treino Livre Oficial – Todas as categorias
9h45 às 10h45 – Treino Livre Oficial – Todas as categorias
11h às 12h – Treino Livre Oficial – Todas as categorias
13h às 14h – Treino Livre Oficial – Categorias P2, P3, P4 e GT4
14h15 às 15h15 – Treino Livre Oficial – Categorias P1 e GT3
15h30 às 15h45 – Treino Classificatório – Categorias P3 e P4
15h50 às 16h10 – Treino Classificatório – Categoria P2
16h15 às 16h30 – Treino Classificatório – Categoria GT4
16h35 às 16h50 – Treino Classificatório – Categoria GT3
16h55 às 17h10 – Treino Classificatório – Categoria P1

15 de junho de 2019 – Sábado

8h às 18h – Secretaria/Inscrições/Combustível
8h30 às 9h – Warm-up Endurance
9h às 11h30 – Vistoria Técnica nos boxes das equipes
9h10 às 10h10 – Visitação e horário promocional
10h30 – Abertura de box
10h40 – Fechamento de box
10h45 – Hino Nacional
10h55 – Placa de 5 minutos
11h – Largada Três Horas de Santa Cruz do Sul
14h30 – Pódio

Lista de inscritos

Categoria P1 (11 carros)
#4 Sigma P1-Audi V8 Turbo – Felipe Bertuol / Jindra Kaucher
#5 Metalmoro AJR-Chevrolet V8 – Tiel Andrade / Andersom Toso / Júlio Martini
#11 Metalmoro AJR-Honda K24 Turbo – Emílio Padron / Thiago Marques / Marcelo Vianna
#20 Ginetta G57-Chevrolet V8 – Fabio Ebrahim / Wagner Ebrahim
#65 Metalmoro AJR-Chevrolet V8 – Nilson Ribeiro / José Roberto Ribeiro
#80 Metalmoro AJR-Nissan V6 – Alexandre Finardi / Rafael Suzuki
#88 Metalmoro AJR-Chevrolet V8 – Vicente Orige / Tarso Marques
#110 DTR P1-Honda K20 Turbo – Francesco Ventre / Eduardo Dieter
#113 Metalmoro AJR-Chevrolet V8 – Pedro Queirolo / David Muffato
#146 Metalmoro AJR-Audi 20V Turbo – Gustavo Martins / Pedro Castro / João Santanna
#175 Metalmoro AJR-Chevrolet V8 – Henrique Assunção / Fernando Fortes / Luiz Floss

Categoria GT3 (4 carros)
#8 Mercedes-Benz AMG GT3 – Guilherme Fuiguerôa / Julio Campos
#9 Mercedes-Benz AMG GT3 – Xandy Negrão / Xandinho Negrão
#19 Ferrari 488 GT3 – Chico Longo / Marcos Gomes
#55 Porsche 911 GT3R – Marcel Visconde / Ricardo Maurício

Categoria P2 (3 carros)
#25 GT Race Cars GeeBee R1-Chevrolet V8 – Ney Faustini / Ney de Sá Faustini
#32 MC Tubarão IX-Ford Duratec Turbo – Paulo Sousa / Mauro Kern
#37 Veloztech Scorpion-Hayabusa Turbo – Stuart Turvey / Renato Turelli

Categoria GT3 Light (3 carros)
#18 Lamborghini Gallardo LP560-4 GT3 – Fernando Poeta / Beto Giacomello
#63 Aston Martin Vantage V12 GT3 – Sérgio Ribas / Guilherme Ribas
#155 Ferrari 458 GT3 – Ricardo Mendes / Tom Filho

Categoria P3 (6 carros)
#44 Metalmoro MRX-Volkswagen 16V – Ruben Ghisleni / Aldoir Sette
#46 Roco 001-Hayabusa – Robbi Perez / Jose Cordova
#56 Metalmoro MRX-Volkswagen – Rafael Simon / Gustavo Simon
#72 Metalmoro MRX-Opel 16V – Carlos Antunes / Yuri Antunes
#75 Metalmoro MRX-Cosworth – Henrique Assunção / Fernando Fortes / Emílio Padron
#89 Radical SR3-Hayabusa – Matheus Stumpf / Renato Stumpf

Categoria GT4 (5 carros)
#3 Mercedes-Benz AMG GT4 – Alexandre Auler / Leandro Romera
#16 Ginetta G55 GT4 – Esio Vichiesi / Kreis Jr. / Cesar Ramos
#22 Mercedes-Benz AMG GT4 – Flavio Abrunhoza / Leandro Ferrari
#64 Audi RS3 TCR – Henry Visconde / Guilherme Salas
#555 Ginetta G55 GT4 – Renato Braga / Renan Guerra

Categoria P4 (1 carro)
#34 Metalmoro MRX-Volkswagen 8V – Ricardo Haag / Mário Marcondes

Categoria GT4 Light (2 carros)
#14 Mercedes-Benz CLA 45 AMG – Junior Victorette / Marcelo Karam
#21 Mercedes-Benz CLA 45 AMG – Arthur Caleffi

Resumo – 4 Horas de Goiânia 2019

A segunda etapa do Império Endurance Brasil 2019 começou no vácuo de uma primeira etapa sensacional, promentendo grandes disputas e com diversas novidades na pista. Para você que perdeu, preparamos um resumo dos principais acontecimentos da prova. Infelizmente, novamente a categoria perde um de seus personagens mais icônicos: o chefe de equipe da MC Tubarão, Carlinhos de Andrade, que nos deixou no dia 6 de abril após sofrer um infarto fulminante. Antes da prova foi organizado um minuto de silêncio em homenagem a uma das figuras que moldou o Endurance brasileiro tal como ele é.

Resultado do treino classificatório para as 4 Horas de Goiânia.

Antes mesmo da prova começar ficava claro que o final de semana seria difícil para os protótipos AJR: a primeira baixa foi o carro #11 de Emílio Padrón, que sofreu uma falha no motor durante os treinos livres e não haviam peças suficientes para que o carro fosse consertado. Para contornar a situação, alguns dos pilotos foram realocados para o carro #175 que havia obtido o 3º posto no treino classificatório, mas que devido a mudança de formação foi movido para o fim do grid de largada.

Outro AJR que sofreu antes mesmo da prova começar foi o #113, que teve um estouro de pneu durante os treinos que destruiu parte da carenagem dianteira. Com o carro #11 fora da disputa, a solução encontrada foi utilizar a dianteira dele no carro #113, resultando em um visual híbrido no mínimo curioso.

Já não bastasse a má sorte com o carro #11, o #175 apresentou problemas já na volta de instalação, quando partia para o grid, e teve que ser rebocado para os boxes.

Na largada, destaque positivo para os AJR #88 que manteve a primeira colocação e para o AJR #113, que conseguiu pular para a segunda posição antes da primeira volta. Não por coincidência, são os dois carros que estrearam o sistema de asa traseira móvel desenvolvido pela JLM Racing, e que permite um ganho de até 12 km/h no final da reta principal do Autódromo de Goiânia.

Veja no detalhe a asa traseira móvel do AJR #113 já aberta na largada, em contraste com a asa convencional do AJR #65.

Tal como em Curitiba, os carros da P2 começaram a sofrer incidentes logo no início da prova: primeiro com a colisão entre os protótipos GeeBee #25 e MC Tubarão IX #32 na volta 8, e em seguida com o abandono do protótipo Scorpion #37 na volta 11, que ficou parado em posição perigosa e forçou a primeira aparição do safety car.

Colisão entre os carros #25 e #32.
Novamente a sina do Scorpion Hayabusa Turbo se repete, com um abandono já na volta 11.

Com a entrada do carro de segurança, os protótipos AJR #05 e #65 foram para os boxes, o carro da MC Tubarão apontando uma falha no sistema de alimentação de combustível, e o carro da NC Racing para efetuar uma troca da correia do alternador, o que eliminou qualquer chance de bons resultados para os dois bólidos.


Menos ed 10 minutos após a relargada, novamente o safety car foi chamado, dessa vez para permitir a retirada da Mercedes CLA 45 AMG de Junior Victorette, que também sucumbiu ao calor da pista goiana. A prova seguiu sem maiores ocorrências até próximo da marca de uma hora, quando a primeira janela de pit stops obrigatórios foi aberta. Nesse momento o motor do GeeBee #25 explodiu deixando uma nuvem de fumaça digna dos velhos tempos da Fórmula 1. Com os carros #32 e #37 já fora da disputa, esse abandono significou que novamente nenhum P2 completou a prova.

Se na P2 as coisas iam mal, na P1 o inferno astral dos AJR parecia só piorar, com o carro #113 colidindo com o Audi A3 TCR da GT4, levando a terceira entrada do safety car. Com isso, restavam na disputa pela vitória na geral apenas os protótipos AJR#88 e Ginetta G57, além dos quatro GT3 que seguiam os ponteiros a uma certa distância.

Com menos de 1h30 de prova, foi a vez do AJR#175 continuar sua maré de azar, agora na forma de um problema de alternador. Não sendo o bastante, menos de 10 minutos depois foi a vez do líder da prova, Tarso Marques, também abandonar após uma quebra de semi-eixo. Tudo apontava para a primeira vitória na geral do Team Ginetta Brasil, com os carros da GT3 representando a única ameaça real ao bólido inglês.

O fato mai curioso da prova ocorreu com a Ferrari #19 logo após a segunda parada obrigatória, quando o piloto Daniel Serra voltou para a pista com a porta do passageiro aberta, situação que poderia forçar uma parada adicional e retirar o carro da Via Italia Racing da disputa pela vitória na geral. Contudo, isso não chegou a acontecer pois Serra conseguiu contornar a situação com uma manobra mais brusca forçando a porta a voltar ao lugar. Depois disso, o bicampeão da Stock Car deu show de pilotagem, virando volta rápida atrás de volta rápida numa tentativa de reduzir o gap para a Ginetta #20.

Faltando cerca de uma hora para o fim da prova, foi a vez do Mercedes AMG GT3 #8, até então um dos favoritos para desbancar a Ginetta G57, entrar em modo de segurança deixando a disputa pela vitória entre a Ferrari #19 e a Ginetta #20. Essa disputa, entretanto, jamais chegou a ocorrer, pois na última parada obrigatória o carro do Team Ginetta ficou parado por cerca de um minuto a mais do que o necessário devido a um problema com a fixação do volante.

Com isso, a vitória ficou praticamente assegurada para Daniel Serra e Chico Longo, com mais de 1 minuto de vantagem sobre a Ginetta G57, que vinha mantendo a posição com folga confortável para o terceiro colocado. A grande disputa do final da prova ficou entre a Mercedes de Xandinho Negrão e o Porsche GT3 d Ricardo Maurício, disputando a terceira posição na geral, com o Porsche perseguindo a Mercedes por diversas voltas sem sucesso na ultrapassagem, até que em um enrosco a menos de 10 minutos do fim da prova o Porsche #55 rodou, selando o resultado no top 4 da prova goiana.

Resultado das 4 Horas de Goiânia.