TMC M1 – o impressionante protótipo de Tarso Marques para a Endurance Brasil

Nos últimos dias surgiu na Internet a imagem do protótipo desenvolvido pela Tarso Marques Concept, empresa do piloto homônimo com que tem passagens por F1, Indy e Stock Car, entre outras categorias. Hoje vamos nos aprofundar sobre o que já se sabe desse projeto ainda envolto em mistérios.

Contexto

Segundo o próprio Tarso Marques, esse protótipo é parte de um projeto maior, que visa desenvolver o primeiro hipercarro brasileiro, e servirá de base para testar e validar conceitos para o carro de rua.

Sketch do hipercarro da TMC. Fonte: Tarso Marques Concept [1].

Quanto ao carro de competição, algumas vistas 3D do projeto foram divulgadas pelo piloto em suas redes sociais que, mesmo mostrando o carro parcialmente, deixam claro que o design é completamente único em relação ao que existe nas pistas brasileiras e mundiais.

Vista dianteira do protótipo. Fonte: Tarso Marques Concept [1].
Vista traseira do protótipo. Fonte: Tarso Marques Concept [1].
Vista lateral do protótipo. Fonte: Tarso Marques Concept [1].

Mas diferente de outros projetos brasileiros que jamais saem do papel, o carro encontra-se em uma fase muito mais avançada do que apenas o modelo 3D, com o primeiro shakedown realizado por volta do início de março no Autódromo Internacional de Curitiba.

🔉🔉Spoilerzinho do “Shakesown” do primeiro dia na pista do protótipo que estamos construindo! 😁 Isto foi algumas semanas atrás, foi um primeiro teste de funcionamento do carro para darmos continuidade no desenvolvimento e construção…..Mas o carinha promete viu!!!#tmc #prototipo #prototype #tarsomarques #design #concept #marques #endurancebrasil #design #performance #turbo

Posted by Tarso Marques on Wednesday, April 22, 2020

E foi desse teste que surgiu a imagem que atualmente circula a Internet, que também deu origem ao apelido de batmóvel para o carro, pela cor preta e até mesmo pelo estilo baixo e largo, que para muitas pessoas lembra muito o veículo do homem morcego.

Dúvidas e especulações

Junto com as notícias veio uma quantidade igual de especulações e dúvidas:

  • O carro é um monoposto de F1 ou Indy carenado? Não. Muito diferente disso, o projeto do TMC M1 aproveita a liberdade técnica do regulamento da Endurance Brasil para colocar o piloto em uma posição típica de um monoposto, com o piloto no centro do carro e ao que tudo indica em posição de pilotagem muito próxima à um Fórmula 1, com o piloto praticamente “deitado”, resultando em um carro mais baixo e de perfil mais esguio. O chassi, apesar de não ser de um F1, é sim um monocoque de fibra de carbono, o primeiro fabricado no Brasil, com projeto próprio da TMC e construído pela RALLC, empresa brasileira especializada em usinagem e fabricação de moldes e componentes em materiais compósitos, e que fornece componentes para, entre outros, a Embraer.
  • Ele irá competir na categoria P2? Na P1? Segundo Tarso Marques, o M1 foi projetado para competir na categoria P2 da Endurance Brasil. Contudo, a organização da categoria classificou o carro na categoria P1, competindo contra AJR, Ginetta G57 e Sigma. Isso se deve ao fato de que a P2, ainda que isso não esteja escrito no regulamento 2019, é destinada à carros de fabricação mais antiga, que não atingiam o mesmo nível de performance dos protótipos mais recentes.
  • O carro está fora do regulamento da Endurance Brasil? Não. Analisando o regulamento da Endurance Brasil, seja na P1 ou na P2, não há menção à praticamente nenhuma limitação, exceto por peso e capacidade do tanque, dependendo do tipo de motor. Alguns especulavam que por ter chassi em fibra de carbono o carro estaria fora do regulamento, porém essa regra só existiu até 2018, e hoje já são permitidos na P1 modelos LMP3 e os Ginetta G57 / G58, que utilizam o mesmo tipo de construção do chassi

O que já se sabe

Passadas as polêmicas, vamos ao que se sabe do protótipo:

Chassi: como já mencionado, é um monocoque em fibra de carbono, de fabricação brasileira, e com projeto aerodinâmico desenvolvido em CFD. Além disso, o carro é equipado com freios de carbono, pneus Pirelli e tem peso de 940 kg.

Um outro ponto interessante do carro é o volante, que também está sendo desenvolvido no Brasil e representa uma evolução em relação aos protótipos atuais, pois agrega painel e todos os controles, similar os volantes dos carros de F1.

Volante TMC M1. Fonte: Tarso Marques Concept [1]

Além do design, as imagens permitem ver alguns sistemas que estarão presentes no carro:

  • DRS: indica que o carro terá um sistema de asa móvel, similar ao já empregado nos AJR e Sigma P1;
  • ABS;
  • TC (controle de tração);
  • SW;
  • MAP, provavelmente mapa do motor;
  • Boost: ajuste da pressão de abertura da waste gate;

O item que mais chama a atenção, entretanto, são os botões F. Flap e R.Flap, de controle giratório e que parecem permitir algum tipo de ajuste aerodinâmico on-board.

Motor: será utilizado um motor V6 turbo. Partindo para a especulaçao, tudo indica de origem Chevrolet. Considerando que a Sprint Race, categoria liderada por Thiago Marques, utiliza motores baseados no V6 da Captiva, não seria surpresa que o TMC M1 utilize um motor similar.

Transmissão: Hewland sequencial de 6 marchas.

Motor TMC M1. Fonte: Tarso Marques Concept [1].

Análise aerodinâmica

Com poucas imagens disponíveis, não é possível promover uma análise detalhada do “batmóvel”. Ainda assim, algumas características chave do carro já podem ser percebidas. Inicialmente, chama a atenção o fato do protótipo não ter portas, utilizando um canopy (1), tal qual um caça. Na dianteira, destaca-se o bico elevado (2) e a ausência dos canards (3) que aparecem em diversas imagens 3D divulgadas. Como o carro fez apenas um shakedown, é possível que esses componentes não tivessem sido instalados, ou ainda estivessem em fase de construção. Ainda na região das rodas dianteiras é possível ver as saídas para ventilação da caixa de roda (4). Destacam-se também os elementos aerodinâmicos que unem o para-lamas ao bico do carro.

Passando a lateral, o TMC M1 têm a onipresente barbatana dorsal (5) e um conjunto de “guelras” (6) para ventilar o ar da região do motor e radiadores. As entradas de ar para os freios traseiros (7), ficam posicionadas à frente das rodas traseiras, solução também comum nos protótipos atuais. A asa traseira (8) parece não ter suportes centrais, sendo suportada lateralmente pelos endplates e centralmente pela barbatana dorsal (a imagem não é clara, porém parece não haver nenhum suporte central, o que explicaria a espessura considerável da barbatana). Ainda sobre a asa traseira, no carro que foi para a pista ela possui uma corda bem longa, com um elemento único.

Aqui vamos a uma das novidades, uma segunda foto do TMC M1 durante o mesmo treino. Nessa imagem é possível ter uma visão melhor da lateral do carro, onde um item comum está faltando: os retrovisores externos. Pode ser que esses componentes serão instalados na versão final, porém nenhuma das projeções 3D apresenta esses componentes, o que indica que o protótipo poderá ter um sistema de câmeras substituindo os retrovisores tradicionais.

Utilizando como referência o Metalmoro JLM AJR, principal concorrente do TMC M1, podemos ter uma melhor noção de outra característica desse carro: o carro é muito baixo, e o piloto vai praticamente deitado, como é um monoposto da F1 ou da Indy.

Você também pode se interessar por:

Protótipos do Endurance Brasil: Metalmoro JLM AJR

Protótipos do Endurance Brasil: MCR Grand-Am

Protótipos do Endurance Brasil: Sigma P1

Nissan GT-R LM Nismo: fracasso ou falta de preparo?

10 carros para ficar de olho em Pikes Peak em 2017

No próximo domingo (25/06), irá ser disputada a 95ª edição da Subida Internacional de Montanha de Pikes Peak (veja aqui os resultados da edição 2016), e mesmo com a ausência de alguns participantes importantes como Nobuhiro “Monster” Tajima, Paul Dallenbahc and Mike Ryan, a prova promete ser extremamente disputada. O recorde de 8m13s878 estabelecido por Sébastian Loeb em 2013 ainda permanece, porém vários competidores estarão lá buscando se aproximar ou até mesmo superar essa marca.

1 – Romain Dumas / Norma MXX RD Limited

Imagem: RD Limited.

Em busca da terceira vitória na montanha, o francês Romain Dumas vem com tudo para a prova de 2017. Tentando se aproximar do recorde absoluto estabelecido pelo seu conterrâneo Sebastian Loeb, o carro de Dumas vem com aerodinâmica completamente revisada por quatro ex-membros do time de Fórmula SAE Rennteam Uni Stuttgart, com um grande splitter dianteiro e uma asa traseira ainda maior, além de diversos outros elementos como as rodas  traseiras parcialmente cobertas. Na parte mecânica o sistema de tração integral foi mantido, enquanto o motor Honda 2.0 que recebeu novos turbo e intercooler e os freios foram substituídos por discos de carbono. Com 770 kg e cerca de 570 HP, é grande a chance de que o francês obtenha mais uma vitória.

2 – Paul Gerrard / Lovefab Enviate Hypercar PP1800

Imagem: Lovefab.

Talvez o maior desafiante para Romain Dumas seja o americano Paul Gerrard. Com um longa carreira em diversas categorias ele faz sua estreia em Pikes Peak pilotando o Enviate Hypercar PP 1800 da empresa americana Lovefab. Criado especificamente para provas de subida de montanha, o Enviate é construído sobre um chassi tubular extremamente leve, com peso total de apenas 816 kg, que conta com um arranjo peculiar de suspensão: com configuração pullrod em ambas as extremidades, ela conta com um terceiro amortecedor central para compensar os efeitos das forças aerodinâmicas (Cody Loveland, proprietário da Lovefab, espera que o modelo produza entre 3 e 4 toneladas de downforce durante os picos de velocidade). Para mover esse conjunto foi escolhido um motor GM LQ9, equipado com uma turbina Garrett GTX3576, capaz de produzir mais de 700 HP durante a prova.

3 – Rodney Tu / Palatov D1 PPS

Imagem: Palatov.

Novamente correndo por fora vem o taiwanês Rodney Tu. Ele volta com o mesmo carro do ano passado, o leve e potente Palatov D1 PPS. Com a experiência de ter competido em 2016, e com  o bólido de 500 kg e 350 HP que já venceu a categoria Unlimited em 2012, o oriental pode surpreender durante a prova no domingo.

4 – Tony Quinn / Pace Innovations Ford Focus

Imagem: Speedcafe.

Em 2017 o neozelandês volta para mais uma participação em Pikes Peak. Seu “Ford Focus” com motor de 850 HP do Nissan GT-R é um carro sólido, e caso os favoritos apresentem problemas é um dos mais fortes candidatos a pintar como zebra para uma vitória na geral.

5 – David Rowe / EPS Motorsport Audi Quattro S1E2

Imagem: SpeedHunters.

Uma visão nostálgica nesse final de semana será proporcionada pelo australiano David Rowe. No domingo ele irá alinhar um Audi Quattro S1E2 bem parecido com o que Walter Röhrl levou a vitória na montanha americana em 1987. Isso porque diferente do original, o Audi de Rowe foi construído recentemente, carregando diversas das atualizações tecnológicas dos últimos 20 anos. O motor, por exemplo, continua sendo um Audi de 5 cilindros, mas agora derivado daquele que equipa o TT-RS e preparado para render cerca de 800 hp, que aliados a um peso de 1.000 kg tornam essa “réplica” modernizada um forte concorrente para a prova

6 – Rhys Millen / Hyundai Genesis Coupe

Imagem: Inautonews.

Após a vitória entre os carros elétricos e segunda posição na classificação geral em 2016, seria lógico imaginar que Rhys Millen voltaria a Pikes Peak com seu bólido Drive e0 PP100 de 1.190 kW! Porém, num ano onde por diversas razões os veículos elétricos praticamente desapareceram, ele volta na categoria Time Attack utilizando o Hyundai Genesis Coupe com o qual ele quebrou o recorde de Pikes Peak em 2012, com um tempo de 9:46.164. Apesar de não ser um veículo rápido o suficiente para conseguir a primeira posição geral, com certeza será um grande espetáculo ver um carro de drift com mais de 700 hp conquistar a montanha!

7 – Layne Schranz / Chevrolet SS NASCAR

Imagem: Layne Schranz.

Outro candidato a zebra para essa edição de 2017 é Layne Schranz. A bordo de seu Chevrolet SS Stock Car modificado, em 2016 o americano conseguiu a sexta posição na classificação geral, e com as ausências de diversos competidores de peso ele passa a ser um forte candidato na disputa por um lugar no top 5 da tabela de tempos.

8 – Rafael Paschoalin / Yamaha MT-07

Imagem: MotoX.

O brasileiro Rafael Pascholin também está de volta para 2017. Com a mesma motocicleta que utilizou ano passado ele vem buscando a vitória na categoria Middleweight, uma das mais disputadas entre as motos. Nos primeiros treinos ele têm se mostrado competitivo, e no momento tem o melhor tempo da classificação dentro da categoria.

9 – Robin Shute / Faraday Future FF91

Imagem: CleanTechnica

Se em 2016 os carros elétricos foram fortes candidatos a vitória geral em Pikes Peak, em 2017 eles praticamente desapareceram. A única exceção é a fabricante Faraday Future, que irá realizar a estréia do modelo FF91 nas prova americana. Vai ser interessante ver se os 783kW (1064 cv) do SUV/Crossover serão capazes de derrubar o recorde de 11m48s264 para carros elétricos de produção em série, estabelecido pelo Tesla Model S P90D em 2016.

10 – Bruno Fretin / Mitjet EXR LV03

Imagem: EXR Racing Series

Um outro competidor curioso da prova de 2017 será o francês Bruno Fretin, que competirá na categoria Unlimited com um Mitjet EXR LV03. Para quem nunca ouviu falar, esse modelo foi desenvolvido pela escola de pilotagem EXR como uma opção de carro de competição barato para pilotos amadores. Construído com estrutura tubular e carroceria de fibra de vidro, o carro pesa apenas 997 kg, e conta com um motor Nissan V6 de 3,5 litros de 330 HP. Com certeza não será um carro capaz de disputar a vitória, porém será interessante comparar seu desempenho com o Elan NP01 que disputou a prova em 2016, já que ambos são carros de competição razoavelmente acessíveis.

Save