Protótipos do Endurance Brasileiro

As corridas de longa duração têm lugar especial nas mentes dos fãs de automobilismo, por representarem um desafio não só de velocidade, mas também de resistência e capacidade de adaptação para automóveis e pilotos. Provas como Le Mans, Daytona e Sebring evocam históras épicas de máquinas e pessoas superando limites em busca da posição mais alta do pódio. Também pela sua natureza, esse tipo de competição envolve a participação tanto de carros de rua adaptados quanto de modelos concebidos com apenas o objetivo de vencer as provas, chamados comumente de protótipos.

Protótipos do grid das 24 Horas de Le Mans de 2015.

O Brasil também tem um longo histórico desse tipo de competição, traçando raízes em provas como as Mil Milhas, concebidas pelo barão Wilson Fittipaldi (pai de Emerson e Wilson Jr) e Eloy Gogliano, inspirados pela homônima Mille Miglia italiana. Hoje, essa tradição vive na forma do Império Endurance Brasil, que na temporada 2019 se firma como o campeonato de maior nível técnico dessa modalidade no Brasil.

Largada da etapa de Santa Cruz do Sul do Endurance Brasil.

Nas temporadas 2017 e 2018, os holofotes estiveram voltados para os belos GT3 importados, como Porsche 911 e Lamborghini Huracàn, carros que além de velozes se mostraram muito confiáveis, duas características essenciais para as provas de Endurance. Esse cenário, contudo, começou a mudar com a chegada de uma nova geração de protótipos nacionais e importados, que estão gradativamente mudando esse equilíbrio de forças, e em 2019 são os francos favoritos a vitória na classificação geral, acumulando duas vitórias nas três primeiras provas do campeonato.

Quando comparado a campeonatos internacionais de esporte-protótipos, o Endurance Brasil conta com um regulamento bem mais liberal, limitando apenas o peso e a capacidade do tanque em relação a cilindrada e ao tipo de aspiração dos motores, além daquelas relacionadas à segurança. Itens como transmissões, chassis e aerodinâmica não são regulamentados, o que contrasta diametralmente com campeonatos como WEC e IMSA, onde o regulamento técnico rege diversas características como dimensões do veículo, tipos de elementos aerodinâmicos permitidos e suas dimensões, consumo de combustível, entre outros. O efeito dessa diferença de regulamento pode ser visto no design dos modelos que competem no campeonato brasileiro.

Por exemplo, o regulamento do WEC prevê que o cockpit deve ter espaço suficiente para o piloto e um passageiro, e que o piloto deve estar em uma posição deslocada, seja para a direita ou seja para a esquerda, pois segundo a FIA/ACO isso é parte da definição de um carro esporte…. Enquanto isso, nos protótipos brasileiros o piloto pode ficar em posição central, e não há necessidade de garantir o espaço para dois ocupantes na cabine, o que permite um design mais compacto e eficiente aerodinamicamente, reduzindo a área frontal, e que também permite uma posição com melhor visibilidade, similar a um Fórmula. Outro exemplo de requerimento do WEC é que nenhuma parte mecânica pode ser visível nas vistas frontal, traseira ou superior, e novamente isso não existe no regulamento do Endurance Brasil.

O resultado é que hoje a categoria P1 do Endurance Brasil é,  guardadas as proporções, quase um Can-Am moderno com grande liberdade técnica e variedade de filosofias de design. Ao mesmo tempo, o regulamento técnico da temporada 2019 previne a utilização de motores empregados nas categorias LMP1/2 como medida de contenção de custos, e o regulamento esportivo prevê que caso um carro se torne dominante penalizações e alterações técnicas sejam implementadas para equilibrar a disputa.

Nessa série de postagens irei apresentar os principais modelos do certame da Endurance Brasil, e analisar as principais características técnicas de cada um deles. Clicando nas imagens abaixo você poderá acessar os artigos sobre cada um desses modelos (quando eles forem disponibilizados).

MCR Grand-Am
Metalmoro JLM AJR
Sigma P1
Ginetta G57 P2
DTR 01

Resumo – 4 Horas de Goiânia 2019

A segunda etapa do Império Endurance Brasil 2019 começou no vácuo de uma primeira etapa sensacional, promentendo grandes disputas e com diversas novidades na pista. Para você que perdeu, preparamos um resumo dos principais acontecimentos da prova. Infelizmente, novamente a categoria perde um de seus personagens mais icônicos: o chefe de equipe da MC Tubarão, Carlinhos de Andrade, que nos deixou no dia 6 de abril após sofrer um infarto fulminante. Antes da prova foi organizado um minuto de silêncio em homenagem a uma das figuras que moldou o Endurance brasileiro tal como ele é.

Resultado do treino classificatório para as 4 Horas de Goiânia.

Antes mesmo da prova começar ficava claro que o final de semana seria difícil para os protótipos AJR: a primeira baixa foi o carro #11 de Emílio Padrón, que sofreu uma falha no motor durante os treinos livres e não haviam peças suficientes para que o carro fosse consertado. Para contornar a situação, alguns dos pilotos foram realocados para o carro #175 que havia obtido o 3º posto no treino classificatório, mas que devido a mudança de formação foi movido para o fim do grid de largada.

Outro AJR que sofreu antes mesmo da prova começar foi o #113, que teve um estouro de pneu durante os treinos que destruiu parte da carenagem dianteira. Com o carro #11 fora da disputa, a solução encontrada foi utilizar a dianteira dele no carro #113, resultando em um visual híbrido no mínimo curioso.

Já não bastasse a má sorte com o carro #11, o #175 apresentou problemas já na volta de instalação, quando partia para o grid, e teve que ser rebocado para os boxes.

Na largada, destaque positivo para os AJR #88 que manteve a primeira colocação e para o AJR #113, que conseguiu pular para a segunda posição antes da primeira volta. Não por coincidência, são os dois carros que estrearam o sistema de asa traseira móvel desenvolvido pela JLM Racing, e que permite um ganho de até 12 km/h no final da reta principal do Autódromo de Goiânia.

Veja no detalhe a asa traseira móvel do AJR #113 já aberta na largada, em contraste com a asa convencional do AJR #65.

Tal como em Curitiba, os carros da P2 começaram a sofrer incidentes logo no início da prova: primeiro com a colisão entre os protótipos GeeBee #25 e MC Tubarão IX #32 na volta 8, e em seguida com o abandono do protótipo Scorpion #37 na volta 11, que ficou parado em posição perigosa e forçou a primeira aparição do safety car.

Colisão entre os carros #25 e #32.
Novamente a sina do Scorpion Hayabusa Turbo se repete, com um abandono já na volta 11.

Com a entrada do carro de segurança, os protótipos AJR #05 e #65 foram para os boxes, o carro da MC Tubarão apontando uma falha no sistema de alimentação de combustível, e o carro da NC Racing para efetuar uma troca da correia do alternador, o que eliminou qualquer chance de bons resultados para os dois bólidos.


Menos ed 10 minutos após a relargada, novamente o safety car foi chamado, dessa vez para permitir a retirada da Mercedes CLA 45 AMG de Junior Victorette, que também sucumbiu ao calor da pista goiana. A prova seguiu sem maiores ocorrências até próximo da marca de uma hora, quando a primeira janela de pit stops obrigatórios foi aberta. Nesse momento o motor do GeeBee #25 explodiu deixando uma nuvem de fumaça digna dos velhos tempos da Fórmula 1. Com os carros #32 e #37 já fora da disputa, esse abandono significou que novamente nenhum P2 completou a prova.

Se na P2 as coisas iam mal, na P1 o inferno astral dos AJR parecia só piorar, com o carro #113 colidindo com o Audi A3 TCR da GT4, levando a terceira entrada do safety car. Com isso, restavam na disputa pela vitória na geral apenas os protótipos AJR#88 e Ginetta G57, além dos quatro GT3 que seguiam os ponteiros a uma certa distância.

Com menos de 1h30 de prova, foi a vez do AJR#175 continuar sua maré de azar, agora na forma de um problema de alternador. Não sendo o bastante, menos de 10 minutos depois foi a vez do líder da prova, Tarso Marques, também abandonar após uma quebra de semi-eixo. Tudo apontava para a primeira vitória na geral do Team Ginetta Brasil, com os carros da GT3 representando a única ameaça real ao bólido inglês.

O fato mai curioso da prova ocorreu com a Ferrari #19 logo após a segunda parada obrigatória, quando o piloto Daniel Serra voltou para a pista com a porta do passageiro aberta, situação que poderia forçar uma parada adicional e retirar o carro da Via Italia Racing da disputa pela vitória na geral. Contudo, isso não chegou a acontecer pois Serra conseguiu contornar a situação com uma manobra mais brusca forçando a porta a voltar ao lugar. Depois disso, o bicampeão da Stock Car deu show de pilotagem, virando volta rápida atrás de volta rápida numa tentativa de reduzir o gap para a Ginetta #20.

Faltando cerca de uma hora para o fim da prova, foi a vez do Mercedes AMG GT3 #8, até então um dos favoritos para desbancar a Ginetta G57, entrar em modo de segurança deixando a disputa pela vitória entre a Ferrari #19 e a Ginetta #20. Essa disputa, entretanto, jamais chegou a ocorrer, pois na última parada obrigatória o carro do Team Ginetta ficou parado por cerca de um minuto a mais do que o necessário devido a um problema com a fixação do volante.

Com isso, a vitória ficou praticamente assegurada para Daniel Serra e Chico Longo, com mais de 1 minuto de vantagem sobre a Ginetta G57, que vinha mantendo a posição com folga confortável para o terceiro colocado. A grande disputa do final da prova ficou entre a Mercedes de Xandinho Negrão e o Porsche GT3 d Ricardo Maurício, disputando a terceira posição na geral, com o Porsche perseguindo a Mercedes por diversas voltas sem sucesso na ultrapassagem, até que em um enrosco a menos de 10 minutos do fim da prova o Porsche #55 rodou, selando o resultado no top 4 da prova goiana.

Resultado das 4 Horas de Goiânia.