Resumo – 3 Horas do Velopark

Novamente as máquinas mais rápidas do Brasil voltaram as pistas, dessa vez para disputar a quarta etapa do Império Endurance Brasil 2019, no autódromo Velopark. Para complicar ainda mais a disputa, a chuva deu as caras no circuito gaúcho, praticamente fechando a pista na sexta-feira à tarde. Com isso, o treino classificatório foi movido para a manhã do sábado, pouco antes da largada da corrida. Quem se deu melhor foi a dupla Pedro Queirolo e David Muffato do AJR #113, que cravaram a primeira sua primeira pole na temporada, com o tempo de 48scom o tempo de 48s388, novo recorde de volta da pista de 2.278 metros. Em segundo ficou o trio Henrique Assunção, Luiz Floss e Emílio Padrón, que apesar de ter reconstruído seu AJR #11 a tempo da etapa gaúcha, não conseguiu colocar o carro na pista por falta de um componente elétrico. Na terceira posição ficou o trio Vicente Orige, Tarso Marques e Gustavo Martins, também de AJR, seguidos pelo AJR #5 da equipe MC Tubarão. Pela GT3, a pole ficou com Chico Longo e Marcos Gomes, já que Daniel Serra não pôde participar da prova por estar disputando as 24 Horas de Spa-Francorchamps. Em segundo da GT3 ficou da dupla da Mercedes AMG #08 Guilherme Figuerôa e Julio Campos, com o Porsche de Ricardo Maurício e Marcel Visconde na terceira posição.

Pela categoria P2, pole de Stuart Turvey e Renato Turelli com o protótipo Scorpion-Hayabusa Turbo, enquanto na P3 houve um acontecimento raro: o MRX #75 e #72 cravaram exatamente o mesmo melhor tempo de 54s816, empatando na pole da categoria. O desempate foi realizado pelo critério de quem postou a volta primeira, e com isso ficou definida a pole para Henrique Assunção, Emílio Padrón e Fernando Fortes.

Resultado do treino classificatório para as 3 Horas do Velopark.

Na largada, destaque para Vicente Orige que pulou da terceira para a primeira posição após poucas curvas, bem como para a Ginetta G57, que pulou de oitavo para o quinto posto. Na segunda volta Pedro Queirolo começou a colocar pressão sobre o piloto do AJR #88, num momento quem que o tráfego de retardátarios já era pesado, o que levou Orige a errar ao negociar uma ultrapassagem sobre a Mercedes GT4 de Leandro Ferrari, cedendo a primeira posição para o AJR #113.

Enquanto isso, na GT3, o pega era bom pela primeira posição, com os quatro carros da categoria disputando cada curva em meio aos retardatários.

Outro destaque do início da prova foi o AJR #65, pois após largar apenas na 28ª posição o piloto José Roberto Ribeiro fez uma corrida de recuperação incrível, e com 5 voltas já estava na décima posição. A prova seguiu sem maiores incidentes até a volta 25, quando um toque com a Mercedes AMG GT3 #08 fez com que a Ferrari 488 GT3 de Chico Longo rodasse, furando o pneu traseiro esquerdo no processo.

Na volta 34 foi a vez do Porsche #55 de Marcel Visconde perder a roda traseira esquerda, que se soltou, deixando momentaneamente a disputa da categoria GT3 para as duas Mercedes.

Na volta 37, mais um carro com problema nos pneus traseiros, dessa vez o protótipo GeeBee R1 de Ney Faustini. Ao mesmo tempo, o protótipo MC Tubarão 32 de Paulo Sousa ficou parado em posição perigosa na pista, o que levou à primeira aparição do Safety Car na prova, coincidindo com a abertura da primeira janela de paradas obrigatórias, o que levou a maioria dos competidores aos boxes.

Na relargada, Tarso Marques que vinha na segunda posição não conseguiu freiar no fim da reta principal, cortando a curva pelo gramado e rodando próximo a saída dos boxes, motivando a segunda aparição do Safety Car. Nesse momento enfrentaram problemas também o Ginetta #20 que sofreu a quebra de uma junta homocinética e teve de ser rebocado para os boxes. O Safety Car também movimentou a prova, pois o AJR #113 recebeu um drive through como punição por ter ultrapassado o carro de segurança. Dessa forma, o AJR #5 de Andersom Toso herdou a primeira colocação, porém um problema mecânico fez com que o protótipo gaúcho abandonasse a prova.

Na volta 74, nova entrada do Safety Car, dessa vez para o resgate do MRX #44 de Ruben Ghisleni. Trabalho feito, nova relargada dessa vez sem emoções, já que o AJR#113, novamente na liderança, ficou posicionado de forma que diversos retardatários o separavam do AJR #175 que vinha na segunda colocação. A prova prosseguiu tranquila até a marca das duas horas, quando o AJR #80 de Rafael Suzuki começou a pegar fogo próximo da reta dos boxes.

O piloto da equipe Kia Power Imports conseguiu sair sem se ferir, porém deve ser dada atenção à lentidão da ação de combate ao fogo realizada pela equipe de bombeiros do Velopark, que demorou a se mobilizar, e quando o fez, agiu de forma desordenada derrubando um dos extintores dentro da barreira de pneus, e pior ainda, dois dos extintores não conseguiram ser acionados, enquanto o carro era consumido pelas chamas. Isso tudo numa posição próxima à entrada dos boxes, que deveria ser uma das de mais fácil acesso. Por bem fica o prejuízo financeiro à equipe catarinense, porém deve se manter o alerta, pois o caso poderia ter sido bem diferente caso o piloto não conseguisse sair a tempo do carro.

Ao mesmo tempo, e no mesmo ponto da pista, o carro de Luiz Floss, Henrique Assunção e Emilio Padròn também ficou parado. O AJR #175 vinha com bom ritmo tentando descontar a volta de desvantagem em relação aos líderes, porém a quebra de uma junta homocinética representou fim de prova para o carro da Império JLM Motorsport.

Com esse incidente, uma ocorreu nova entrada do safety car, e os competidores aproveitaram o momento para realizar a última parada obrigatória da corrida. Na relargada, o destaque ficou para a categoria GT3, primeiro com a briga pela segunda colocação geral e vitória na categoria entre a Mercedes #09 pilotada por Xandy Negrão, e a Mercedes #08 pilotada por Júlio Campos, onde o último levou a melhor.

Destaque também para a bela briga entre Ricardo Maurício e Marcos Gomes pela terceira colocação na categoria GT3, onde o piloto do Porsche #55 defendeu-se bravamente das investidas da Ferrari #19 pelos últimos 25 minutos de prova. Por fim, ficou confirmada a vitória de David Muffato e Pedro Queirolo, que conseguiu passar pela prova sem grandes incidentes, o que não tira o mérito da dupla, que fez barba, cabelo e bigode na prova do Velopark, com pole-position, vitória e melhor volta da prova.

Fica o registro de mais uma bela prova da categoria, e também da transmissão ao vivo, que se manteve estável e com boa qualidade. Agora começa a contagem para a próxima etapa, que será disputada no dia 7 de setembro em Interlagos, em conjunto com provas da Gold Classic e da Turismo Nacional, no que promete ser o grande espetáculo da velocidade do ano.

Leave a Reply

Your email address will not be published.