Tech Bits – 1ª Etapa do Império Endurance Brasil 2020 – parte 3

Na terceira parte do nosso review das novidades técnicas da primeira etapa do Endurance Brasil, vamos conhecer os detalhes da grande novidade da categoria P3 na temporada 2019, o protótipo Roco 001 da Roco Racing Cars.

Parte 1

Parte 2

#82 – Roco Racing Cars – Roco 001 / Suzuki Hayabusa – Robbi Perez / José Cordova

Fonte: Endurance Brasil [1].

Grande novidade da categoria P3 em 2019, o protótipo Roco 001 foi desenvolvido pela dupla de pilotos Robbi Perez e José Cordova, a partir de um chassi Ralt RT34 de Fórmula 3, ao qual foi montado em posição transversal um conjunto motor-transmissão da Suzuki Hayabusa. A primeira aparição do modelo aconteceu nas 4 Horas de Goiânia, porém problemas impediram a participação na prova. Depois dessa aparição, o Roco fez sua estreia oficial nas 4 Horas de Interlagos, onde a equipe paranaense obteve o primeiro pódio da temporada, com a quinta posição na categoria P3.

Fonte: 500 Milhas de Londrina [2].

Em seguida, a dupla disputou as 500 Milhas de Londrina, onde obtiveram uma boa terceira posição no grid de largada, porém novamente enfrentaram problemas que forçaram um abandono prematuro.

Fechando a temporada, o protótipo azul ainda participou das 6 Horas de Curitiba, prova que se mostrou novamente muito dura com os protótipos em geral, e onde o time obteve uma boa quarta colocação na classificação da P3.

Fonte: Endurance Brasil [1].

Para 2020 a equipe paranaense trabalhou duro para reduzir o gap em de performance em relação aos ponteiros, e se em 2019 o MRX #75 foi o carro com maiores atualizações, nessa temporada quem mais evoluiu seguramente foi o Roco 001, com modificações cujos resultados se concretizaram na terceira posição no grid de largada da categoria.

Fonte: Endurance Brasil [1].

Enquanto a seção dianteira não sofreu grandes alterações, do meio do carro para trás as mudanças foram consideráveis, começando pelos sidepods (1) que em 2019 eram praticamente os originais do Ralt de Fórmula 3, e agora passaram a ter um formato similar ao de monopostos F3 mais recentes. Além disso, as novas tomadas de ar receberam grelhas para ventilação do ar quente tanto na lateral quanto na parte superior, e até mesmo um chimney (2) tal qual utilizado pelas equipes de F1 na virada dos anos 2000. Com essa modificação, um pequeno radiador que ficava montado no suporte da asa traseira pode se realocado, simplificando a aerodinâmica nessa região.

Fonte: Roco Racing Cars [3].

Ainda na parte central, a tomada de ar para o motor recebeu uma carenagem, que não apenas melhorou a aerodinâmica, mas provavelmente foi benéfica para a aspiração de ar, e em último nível para o desempenho do motor.

Fonte: Endurance Brasil [1].

A asa traseira também sofreu alterações, com endplates maiores capazes de receber a numeração padrão da categoria, o que permitiu eliminar uma espécie de bargeboard vertical que era utilizado para os decalques de numeração do carro.

Fonte: Roco Racing Cars [3]

Outra característica do protótipo, que vem desde 2019, é a tubulação de escapamento direcionada para a saída do difusor. Posicionar a saída de descarga dessa e que pela forma não fcomo foi construída parece projetada com um tipo de difusor soprado. Na prova paulista, alguns problemas impediram um melhor desempenho, mas ainda assim o bólido azul obteve a quarta posição na classificação final da P3.

Imagens

[1]: Endurance Brasil. Disponível em: https://www.facebook.com/endurancebrasil/

[2]: 500 Milhas de Londrina. Disponível em: https://www.facebook.com/londrina500milhas/

[3]: Roco Racing Cars. Disponível em: https://www.instagram.com/roco.racingcars/

Leave a Reply

Your email address will not be published.