Copa Tecate Nissan Sport Prototipos – Quando o México teve sua própria versão do Grupo C

Quando se fala em protótipos de competição, o México possivelmente não é o primeiro país que vem a mente. Por isso, é surpreendente descobrir que nos anos 90 competisse nas pistas mexicanas uma espécie de mini-Grupo C, onde diversos pilotos das três Américas competiram por vitórias.

Nessa época a Nissan era ativa nas competições, com equipes disputando provas no Japão, Europa e Estados Unidos. Buscando expandir sua atuação no mercado mexicano, a filial local da montadora japonesa comissionou o desenvolvimento e fabricação de um protótipo fechado inspirado pelos monstros do Grupo C e GTP da IMSA.

Para desenvolver esse projeto, a Nissan buscou apoio do fabricante local Tame Racing, fundado em 1964 pelo engenheiro Alfredo Tame e que já acumulava longa experiência na fabricação e suporte de pista nas mais diversas categorias do automobilismo mexicano. O desenvolvimento foi iniciado em 1992, quando foi fundada também a Tame Composite Division, responsável pelo desenvolvimento e fabricação do monocoque e carroceria em fibra de carbono, e em 1993 já haviam 22 carros prontos para a primeira temporada do certame, que foi disputado regularmente até 1996.

Durante sua breve existência a categoria foi dominada por pilotos mexicanos, mas contou com a participação de pilotos de diversas nacionalidades, incluindo um então desconhecido Juan Pablo Montoya. Uma notável exceção ao domínio mexicano foi o brasileiro José Cordova, o estrangeiro com maior número de vitórias no certame.

Análise Técnica

Parte 1 – Chassis e mecânica

O maior destaque tecnológico do protótipo Tame 120 TA com certeza é a utilização de um monocoque em fibra de carbono. Ainda que seja uma construção híbrida, já que existe uma gaiola para proteção contra capotagem, o monocoque não só faz a função de célula de sobrevivência como também de ponto de fixação para a suspensão dianteira e para o conjunto motopropulsor.

Fonte: Casey Putsch [1].

Por sinal, o conjunto motor-transmissão é um membro “semi-estressado”, já que o motor é fixado em quatro pontos diretamente ao monocoque, com braços triangulares adicionais fixando o transeixo diretamente ao monocoque. A suspensão também é de concepção moderna, do tipo duplo A na dianteira com o conjunto mola/amortecedor in board e com push rods na traseira, montados sobre o transeixo.

Fonte: Casey Putsch [1].

O motor, por se tratar de um campeonato monomarca, é um Nissan KA24E de 2.389 cm³, como utilizado em diversos carros e picapes da Nissan. Como característica curiosa, esse motor tem três válvulas por cilindro (duas de admissão e uma na exaustão), que com a preparação da Tame Racing atinge 257 HP de potência, transmitidas às rodas traseiras por um transeixo sequencial Stauff de cinco marchas. O conjunto resultante é extremamente leve, com apenas 499 kg, resultando em uma relação peso-potência de 1,94 kg/cv, superior a de protótipos europeus da classe CN.

Fonte: Race Cars Direct [2].

Parte 2 – Aerodinâmica

Conceitualmente, a aerodinâmica do protótipo Tame 120 TA tem forte inspiração nos protótipos utilizados em Le Mans e Daytona, utilizando soluções típicas da época. Tal é a semelhança que, não por acaso, o protótipo era chamado Sport C-3 2.4 no material de divulgação da época, em alusão à semelhança com os protótipos do Grupo C1 / C2.

Fonte: Tame Nissan Sport Prototipo Fan Club Mexico [3].
Adaptado de: Casey Putsch [1].

Os radiadores ficam posicionados na lateral do cockpit (3), com tomadas de ar para os freios traseiros (4) e para o radiador de óleo da transmissão (5) posicionados na carenagem traseira.

Adaptado de: Race Cars Direct [2].

O ar de arrefecimento dos radiadores é ventilado através de louvres logo à frente das rodas traseiras. A asa traseira é de duplo elemento (7), e trabalha em conjunto com o difusor traseiro (8). Também na carenagem traseira ficam as aberturas para ventilação das rodas traseiras (9).

Adaptado de: Casey Putsch [1].

Outras variações chegaram a ser construídas, como uma versão de cockpit aberto inspirada pelos protótipos LMP1/WSC que chegou a competir junto dos modelos fechados.

Fonte: Tame Nissan Sport Prototipo Fan Club Mexico [3].

A Tame Racing também chegou a desenvolver uma variação de maior desempenho, equipada com o motor V6 do Nissan 300 ZX e transmissão Hewland, porém apenas uma unidade foi construída antes do projeto ser cancelado.

Protótipo Tame Nissan V6. Fonte: Tame Nissan Sport Prototipo Fan Club Mexico [3].

Fontes:

Our Mexican race car is Amazing! Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=XukRaRLE9bk.

Tame Prototipo, Carbon tub and Nissan powered. Disponível em: https://racecarsdirect.com/Advert/Details/122041/tame-prototipo-carbon-tub-and-nissan-powered.

Tame Nissan Sport Prototipo Fan Club Mexico. Disponível em: https://www.facebook.com/Tame-Nissan-Sport-Prototipo-Fan-Club-Mexico-511028348963557/.

Historia. Disponível em: https://tameracing.com.mx/historia/.

Victorias Prototipos. Disponívem em: http://www.notiauto.com/static/wp/cat/mexico/protos.php.

Nissan Tame. Disponível em http://www.kumschickracing.ch/cars/nissan-tame-/index.html.

Imagens:

[1]: Our Mexican race car is Amazing! Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=XukRaRLE9bk.

[2]: Tame Prototipo, Carbon tub and Nissan powered. Disponível em: https://racecarsdirect.com/Advert/Details/122041/tame-prototipo-carbon-tub-and-nissan-powered.

[3]: Tame Nissan Sport Prototipo Fan Club Mexico. Disponível em: https://www.facebook.com/Tame-Nissan-Sport-Prototipo-Fan-Club-Mexico-511028348963557/

Leave a Reply

Your email address will not be published.