NIVELANDO A ENGENHARIA

Novidades: protótipo Dore escapamentos

Recentemente surgiu na Internet algumas imagens de um protótipo que está sendo desenvolvido no Brasil, utilizando a conhecida e confiável mecânica AP Turbo. Nenhuma informação foi divulgada oficialmente sobre o modelo, porém pela forma como foi construído pode-se especular que estaria apto a participar das seguintes categorias:

  • Campeonato Paulista de Automobilismo da FASP, na categoria Open C;
  • Campeonato de Automobilismo da LDA, na categoria Força Livre – Protótipo A;
  • Endurance Brasil, nas classes P1 ou P2;
  • Track Day (graças ao poder da Internet, surgiu a informação de que o bólido será voltado para participação em Track Days).

O que já se sabe

O modelo está sendo desenvolvido para o Renato Dore, da Dore Escapamentos, com suporte do Pardal Race Team, tradicional equipe do automobilismo paulista.

Chassi

O chassi é uma estrututra tubular, com carroceria em Kevlar. Os pneus utilizados são Pirelli, aparentemente aro 18, com suspensão do tipo push rod na dianteira (1). Interessante que nas imagens o carro está com dois bancos, configuração um tanto quanto curiosa.

Powertrain

Para mover o carro, o modelo foi equipado com um motor Volkswagen AP 2.0 Turbo, com 339 HP de potência nas rodas, que montado em posição central-dianteira (2). O intercooler (3) fica posicionado logo a frente do motor e recebe ar por uma entrada logo abaixo do bico do carro (4).

Como gerenciamento eletrônico, o modelo é equipado com uma ECU Pro Tune PR-4 e Dash Logger TDL 5.6 SW. A

Outro ponto interessante é o posicionamento da descarga, com a saída em posição central, entre os suportes da asa traseira.

Aerodinâmica

Além da posição pouco usual do motor, o maior destaque do protótipo é a aerodinâmica. Se o AJR e o TMC M1 guardam semelhanças com um fórmula, no caso do carro da Dore Escapamentos a seção dianteira é a de um monoposto, apresentando rodas completamente descobertas (5) e um bico recuado similar ao utilizado no Williams FW26, o infame “twin tusks” (6), design orientado a otimizar  o fluxo de ar sob o bico do carro.

A asa dianteira ocupa a largura total do carro e apresenta design complexo, com dois winglets (7) para aumenta o downforce gerado, enquanto o endplate (8) é curvado gerando o efeito de outwash das rodas dianteiras (ainda há um segundo elemento que também tem função de conduzir o fluxo de ar para fora das rodas. Sobre o endplate foi montado uma espécie de turning vane (9), que além de gerar downforce adicional parece desviar parte do ar sobre a roda dianteira. Ainda na asa dianteira, existe um footplate (10) para ajudar a controlar a turbulência gerada pela roda dianteira.

Sob o bico, podemos ver a entrada que fornece ar para o intercooler (11), e os louvers que ventilam a saída desse ar quente sobre o bico (12). Os sidepods (13) ficam posicionados bem próximo ao cockpit, e ajudam a suportar os sidepod vanes (14). Na traseira, a tomada de ar para os freios (15) é integrada ao para-lamas traseiro.

A asa traseira (16) é de elemento simples, e tem perfil variável. Na parte inferior, o difusor (17) conta com 4 strakes principais e dois secundários para dividir os fluxos de ar com diferentes níveis de energia. Mas o ponto mais interessante são as malhas em formato de fava de mel (18), posicionadas entre a carenagem e o difusor. Nunca havia visto um elemento como esse nessa região, porém esse tipo de solução é comumente utilizado para reduzir a turbulência em aplicações como grades frontais e túneis de vento, o que pode ser o caso também nesse protótipo. Por fim, existe uma placa (19) unindo a carenagem do lado do piloto à do lado do passageiro.

Você também pode se interessar por:

Protótipos do Endurance Brasil: Ginetta G57 P2

Protótipos do Endurance Brasil: Metalmoro JLM AJR

Protótipos do Endurance Brasil: MCR Grand-Am

Protótipos do Endurance Brasil: Sigma P1

Nissan GT-R LM Nismo: fracasso ou falta de preparo?

TMC M1 – o impressionante protótipo de Tarso Marques para a Endurance Brasil

Leave a Reply

Your email address will not be published.