Suzuki Escudo Pikes Peak Special

Hoje trago a vocês um carro que certamente está na memória de muitos de nós gearheads, especialmente daqueles que cresceram com jogos como Gran Turismo e DiRT. Mas antes de falar sobre a criatura, nada mais justo do que primeiro conhecer o criador. 

Nobuhiro “Monster” Tajima

2013 E-RUNNER Pikes Peak Special – Nobuhiro Tajima. Fonte: Sports Car Digest [1].

Nascido em 1950, Tajima cresceu em uma área rural e aprendeu a dirigir em estradas de cascalho, afiando as habilidades que utilizaria durante sua carreira no rally, que teve início em 1968 em um evento regional. Devido sua estatura (1,83 metros de altura) e ao estilo agressivo de direção, incomum entre pilotos japoneses, o piloto logo receberia de um jornal australiano o apelido que o acompanharia durante a sua carreira: Nobuhiro “Monster” Tajima, um legítimo kaiju japonês das pistas. 

Tajima voando para a vitória na categoria A5 do Rali Olympus em 1987. Fonte: Flickr [2]

Em 1983, Tajima fundou a Monster Sport, oficina de preparação especializada na preparação e suporte de carros japoneses para competições de rally. O bom trabalhou chamou a atenção da Suzuki, e levou a uma parceria que transformou a equipe em Suzuki Sport, passando a atuar no desenvolvimento, manufatura e montagem dos veículos de competição da montadora. Além de Pikes Peak, outro destaque da carreira do piloto japonês são os 9 títulos conquistados no All Japan Dirt Trial Championship, uma espécie de Time Attack japonês disputado em pistas estilo Rallycross.

Após participações em diversas modalidades como o WRC e Pikes Peak, a parceria entre a Monster Sport e Suzuki foi encerrada, e a empresa hoje faz parte da Tajima Motor Corporation, conglomerado do qual Tajima é CEO e que entre outras atividades possui concessionárias de marcas como Porsche, Lamborghini, Aston Martin, Suzuki, Peugeot e Citröen para todo o Japão, além de atuar no desenvolvimento de kits e componentes de aftermarket para modelos de diversas montadoras e no desenvolvimento de veículos de propulsão elétrica.

O Monstro contra Pikes Peak

Enquanto no âmbito empresarial as coisas iam bem, em 1988 ocorreu outro marco importante da história do piloto japonês, que fez sua estréia no Pikes Peak International Hill Climb pilotando um “modesto” Mazda 323 GTX para a terceira colocação na divisão Showroom Stock. Mesmo sendo um carro do Grupo A, as particularidades de Pikes Peak deixaram claro que para algo mais era necessário, principalmente em um ano marcado pela vitória de Ari Vatannen à bordo do Peugeot 405 T16 (e que resultou no celebrador documentário Climb Dance). 

Mazda 323 GT-X em Pikes Peak

Aproveitando a parceria com a Suzuki, para a prova de 1989 Tajima trouxe um carro desenvolvido pela sua equipe para o All Japan Dirt Trial Championship, campeonato japonês para provas de rally do tipo Sprint. Ainda que por fora lembrasse um Suzuki Cultus (hatchback compacto que chegou a ser vendido no Brasil como Swift), tratava-se na realidade de um protótipo de estrutura tubular, equipado com dois motores Suzuki G16 1.6 Turbo e duas transmissões sequenciais (um para cada eixo), com potência total combinada de 800 HP. Nessa configuração a equipe japonesa obteve a terceira posição nas tomadas classificatórias, contudo sem conseguir concluir a prova, resultado que se repetiria no ano seguinte.

SUZUKISPORT Twin Engine CULTUS TYPE 1. Fonte: Monster Sport [3].

Após o abandono no ano anterior, para 1990 a opção da Suzuki foi por uma versão mais mansa do Cultus, baseada na versão GT-i mas com motor 1.6 Turbo e tração integral, porém o resultado foi o mesmo, com novo abandono da equipe Suzuki.

Suzuki Cultus GT-i Pikes Peak 1990. Fonte: Monster Sport [3].

Buscando fazer frente aos monopostos da categoria Open Wheel, em 1991 Tajima retornou à configuração de dois motores, agora denominada SUZUKISPORT Twin Engine CULTUS TYPE 2. Em conjunto a diversos refinamentos mecânicos, o novo pacote começou a trazer resultados para o “Monstro”, com uma terceira posição e duas vitórias na categoria Unlimited, culminando na versão SPEC’93, que também esteve presente no Gran Turismo 2.

SUZUKISPORT Twin Engine CULTUS TYPE 2 SPEC’93. Fonte: Monster Sport [3].

1.1 SUZUKISPORT Twin Engine Escudo SPEC’94

Mesmo com as evoluções contínuas aplicadas ao Cultus, a vitória na classificação geral seguiu escapando das mãos da equipe japonesa. Dessa forma um novo carro foi desenvolvido pela Suzuki Sport para a prova de 1994, dessa vez usando como base a silhueta do Suzuki Escudo (modelo que foi vendido sob o nome Vitara no Brasil). Talvez a maior curiosidade dessa primeira versão está na aerodinâmica, já que na dianteira foi utilizada uma asa de dois elementos similar à utilizada na traseira do carro.

SUZUKISPORT Twin Engine Escudo SPEC’94. Fonte: Monster Sport [3].

O que os japoneses da Suzuki não contavam é que a competição se tornaria ainda mais feroz, com a chegada de seus conterrâneos da Toyota e de Rod Millen, à bordo do igualmente monstruoso Celica Pikes Peak. Equipado com o mesmo motor 2.1 utilizado nos protótipos GTP da Toyota, e com extenso uso do efeito solo, o combo Millen+Celica baixou o recorde de Pikes Peak em cerca de 40 segundo, com a marca de 10m04s060 que somente seria quebrada mais de uma década após ser estabelecida. Novamente não seria a vez da Suzuki, relegada à segunda posição na categoria Unlimited e quinta posição na classificação geral.

Toyota Celica Pikes Peak 94. Fonte: Hill Climb Monsters [4].

Análise Técnica

A primeira versão do Escudo Pikes Peak teve como ponto de partida o know how adquirido com as vitórias do Cultus nos anos anteriores. Tal como os nossos Stock Cars, apenas o formato externo da carroceria lembra o do Escudo de produção, já que o chassi do carro é uma estrutura tubular em aço cromo-molibdênio projetada especificamente para o carro.

Fonte: Speed Hunters [5].

Como todo bom carro japonês, o piloto vai posicionado na direita, enquanto o tanque de combustível fica localizado ao lado do condutor, ajudando na distribuição do peso do carro. Mas o grande ponto de destaque é realmente o Powertrain, com dois motores G16A instalados em posição transversal, um para cada eixo do veículo. Equipados com turbocompressores e trocadores de calor do tipo ar-água, os pequenos motores de 1.590 cm³ produzem cerca de 400 HP individualmente, e cada um conta com sua própria transmissão sequencial e diferencial de deslizamento limitado com controle eletro-magnético. Para transmitir a potência ao piso são utilizados pneus Yokohama off-road 285/680 R17, montados em rodas SSR de 17”x10”.

Fonte: Speed Hunters [5].

Mais surpreendente é o fato de que todos os controles (acelerador, embreagem e alavanca de seleção de marchas) são únicos e trabalham em perfeito sincronismo, um grande desafio ao se considerar que tanto acelerador quanto embreagem são ligados mecanicamente aos pedais devem ter a mesma curva de acionamento para garantir a dirigibilidade do protótipo.

Adaptado de: Monster Sport [3].

Quanto à carenagem do protótipo, é toda feita em fibra de carbono e kevlar foi utilizado no assoalho e outras áreas onde uma maior resistência mecânica era necessária. Na versão 1994 o primeiro destaque são os aerofólios de dois elementos empregados na dianteira (1) e traseira (2), solução similar à utilizada por Tajima no Cultus utilizado no All Japan Dirt Trial Championship de 1994 (imagem abaixo). Outra característica interessante é a tomada de ar para o motor dianteiro (3), que a primeira vista parece um espelho retrovisor com montagem invertida, além de uma tomada de ar sobre o que seria o capô (4). A tomada de ar para o motor traseiro (5) ficava originalmente montada sobre o teto do Escudo, em solução similar à do Cultus, e a tomada de ar para o trocador de calor traseiro fica posicionada logo à frente da roda traseira (6).

Suzuki Cultus All Japan Dirt Trial 1994. Fonte: 2679liftman [6].

1.2 SUZUKISPORT Twin Engine Escudo SPEC’95

Fonte: Speed Hunters [5].

Após a quebra do recorde em 1994, a prova de 1995 não poderia ser mais diferente, já que uma semana de chuva e nevascas forçou uma redução do trajeto, com a linha de chegada movida para o trecho conhecido como Devil’s Playground. Durante toda a semana de treinos Rod Millen dominou as tabelas de classificação, conquistando a pole position para a sequência de largada, e durante a prova chegou a conseguir uma vantagem de 5 segundos na parcial intermediária. Porém, para a surpresa de todos (incluindo os narradores americanos), Tajima conduziu majestosamente o trecho final para a vitória na classificação geral, com a marca de 7m53s00 e derrotando o Toyota de Millen por apenas 7 décimos de segundo. 

Análise Técnica

Com o nível de desempenho do Toyota Celica de Millen, ficou claro que algo mais seria necessário para que a Suzuki tivesse chances reais de vitória. Para isso, foi promovida uma revisão completa da aerodinâmica do Escudo, começando pela dianteira que recebeu um gigantesco splitter (7), além de pequenos defletores (8) para reduzir o arrasto aerodinâmico. As caixas de roda foram completamente abertas (9), sempre visando maximizar o downforce na dianteira.

Adaptado de: Speed Hunters [5].

Fase 2: Suzuki Escudo V6 Pikes Peak Special

Para 1996, a Suzuki e Tajima não repousaram sobre os louros da vitória. Percebendo que o desempenho do carro de 1995 ainda não estava à altura do Celica, um novo carro foi desenvolvido, seguindo preceitos similares aos do design do Toyota. Primeiro, para simplificar o design mecânico foi adotado um motor Suzuki V6 H20A de dois litros, que com a ajuda de dois turbos produzia 800 HP. Montado em posição central, esse motor transmitia seus cerca de 80 kgf.m de torque às 4 rodas através de uma transmissão sequencial de seis marchas.

All Aluminum Space Frame. Fonte: Monster Sport [7].

Dessa forma, também um novo chassi foi desenvolvido em alumínio foi construído, empregando um spaceframe totalmente em alumínio, tecnologia patenteada pela Monster Sport, resultando em um peso de apenas 800 kg, com distribuição 47/53.

2.1 Suzuki Escudo Pikes Peak Special SPEC’96

Nessa configuração, o novo Escudo chegou aos Estados Unidos com pouca bagagem de pista, já que era um carro completamente novo desenvolvido em menos de um ano. Isso resultou em uma série de problemas mecânicos, de forma que Tajima foi forçado a se contentar com a segunda posição na classe e na geral, perdendo apenas para Rhys Millen. Nas palavras de Tajima:

“Eu fiz o meu melhor, porém foi um resultado desapontador. Contudo, fui capaz de marcar esse tempo apesar dessa condição (problemas mecânicos). Eu acredito que o elevado potencial do carro foi provado. No próximo ano, estou certo de que serei capaz de vencer a prova.”

Análise técnica

Adaptado de: skedai [8].

A dianteira da primeira versão do Escudo Pikes Peak V6 era marcada pelo enorme splitter dianteira (1), acompanhado por sideplates (2) tão grandes quanto. Além disso, duas tomadas de ar podiam ser vistas, uma em posição inferior para o radiador (3) e outra superior integrada à grade falsa (4), presumivelmente para o intercooler.

Adaptado de: skedai [8].

Pouco visíveis nessa imagem, a seção dianteira do Escudo ainda possuía grandes louvres (5) sobre as caixas de roda e uma abertura para ventilação do ar quente do radiador (6). Esses detalhes permaneceram praticamente inalterados durante a vida do protótipo, e poderemos vê-los em maior nitidez mais abaixo.

Adaptado de: skedai [8].

Passando à seção central, as caixas de roda dianteiras são ventiladas por grandes aberturas longitudinais (6), e duas pequenas tomadas de ar (7) ajudam a resfriar o habitáculo. A tomada de ar para o motor V6 biturbo fica posicionada sobre o teto (8), e dutos NACA (9) levam ar para arrefecer os freios traseiros e radiadores de óleo.

Adaptado de: skedai [8].

A vista traseira do Escudo, talvez a mais reconhecida pelos jogadores de Gran Turismo, é dominada pela asa traseira de 3 elementos (10) e pelo massivo difusor revestido por kevlar (11).

2.2 Suzuki Escudo Pikes Peak Special SPEC’97

Para 1997, a base do ano anterior foi mantida, com algumas atualizações. Primeiro, o motor foi substituído por um baseado no H25A, com 2.493 cm³, novo lay-out das tubulações de admissão e intercoolet, wastegate eletrônica e equipado com o sistema anti-lag IMF da Suzuki. Nessa configuração, agora o Escudo contava com impressionantes 995 HP à 8.100 rpm e 95 kgf.m de torque à 6.500 rpm.

Apesar da aparência, o motor do Escudo fica em posição central. Fonte: Suzuki [9].

Além do motor, a aerodinâmica foi atualizada um redesign completo do splitter dianteiro, que cresceu 30% em comprimento, resultando em um incremento do comprimento total de 4870 mm para 5050 mm. Na imagem abaixo podemos ver também que as tomadas de ar para os freios dianteiros ficam posicionadas junto à entrada de ar do radiador.

A dianteira do Escudo Pikes Peak tem construção similar ao que se espera de um protótipo Le Mans da época. Fonte: Suzuki [9].

Para lidar com a potência adicional, os freios dianteiros passaram a ter pinças com 8 pistões, e os pneus cresceram de 285/660 R17 nas quatro rodas para 290/680 R17 na dianteira e 330/680 R17 na traseira. Apesar das melhorias implementadas uma falha mecânica com aproximadamente ⅔ do trajeto percorrido resultou em um abandono.

2.3 Suzuki Escudo Pikes Peak Special SPEC’98

O ano de 1998 reservava dois desafios para os japoneses: além da prova em Pikes Peak, eles enfrentariam o “arquirrival” Rod Millen na Queenstown Gold Rush, prova de subida de montanha disputada em 13 de abril na Nova Zelândia. Pela primeira vez, Tajima e o Escudo V6 venceram Millen, ao estabelecer a marca de 8m13s60, prometendo acirrar a disputa no Colorado.

Diversas novidades foram implementadas no Escudo SPEC-98, a começar pelas tomadas de ar (12), que ficaram sobrepostas ao “capô”. Foram adicionados também duas fences (13) junto ao parabrisas, para evitar a migração do fluxo de ar. Finalmente, foi adicionada uma tomada de ar sobre o parabrisas (14), de função ignorada. Nesta imagem também podemos visualizar em maior definição os louvres e abertura central para ventilação do radiador.

Na traseira, o difusor e asa parecem ter permanecido inalterados, à exceção do suporte da asa que deixou de ser maciço e passou a contar com alívios por toda sua extensão.

Toyota Tacoma Pikes Peak. Fonte: Favcars [10].

Contudo, Millen não ficou parado e trouxe um novo carro, a Toyota Tacoma Pikes Peak, um carro muito superior ao Celica com o qual competia desde 1994. Tal era a superioridade que, mesmo com chuva, o neozelandês ficou muito próximo de quebrar recorde da prova, com a marca de 10m07s70, enquanto Tajima ficou com a segunda posição com a marca de 10m32s57 após sua tentativa ser comprometida pela piora do clima na primeira metade do trajeto.

Em relação à configuração que havia competido na Nova Zelândia, o Escudo veio para Pikes Peak com dois canards gigantescos (15), cada um equipado com um gurney flap, além do limpador de parabrisas necessário para lidar com as condições climáticas da prova.

2.4 Suzuki Escudo Pikes Peak Special SPEC’99

O ano de 1999 veria Tajima enfrentar novamente a dobradinha Race to the Sky e Pikes Peak, e mais uma vez frente a Rod Millen. Millen optou por levar o antigo Celica para a prova neozelandesa e um pneu furado resultou em uma vitória fácil para os japoneses. Já em Pikes Peak, a situação foi inversa. Novamente com a picape Tacoma, Millen obteve a primeira posição nos treinos o que lhe dava o direito de escolher o momento de largada.

Fonte: Suzuki [11].

Com um clima instável, o neozelandês optou por ser o primeiro a largar, marcando 10m11s35. Novamente, a montanha não estava a favor de Tajima, e durante sua tentativa um forte vento de proa resultou em danos à carenagem dianteira, reduzindo a visibilidade e forçando Tajima a reduzir o ritmo, obtendo o tempo 10m37s35, decepcionante mas ainda suficiente para a segunda posição geral na prova.

2.5 Suzuki Escudo Pikes Peak Special SPEC’00

No ano 2000 a dupla Escudo / Tajima veria ação apenas na Race to the Sky, enquanto para Pikes Peak seria utilizado um Cultus com dois motores J18A e potência total combinada de 800 HP. Na prova da Nova Zelândia, nova vitória da Suzuki sobre Rod Millen, que competiu com uma Toyota Tundra similar às picapes que competem em provas como o Baja 1000.

Suzuki Sports Twin Engine Cultus. Fonte: Suzuki [12].

As atualizações aerodinâmicas do Escudo para esse ano se limitaram à diveplanes mais agressivos na dianteira.

Segundo informações da época, nessa configuração o carro apresenta um Cl de 4.2, com um Cd de 1. Na parte mecânica, foram escolhidos pneus mais estreitos (medida 215/75 R16).

Suzuki Sports Escudo Pikes Peak Special SPEC’00. Fonte: Suzuki [13].

2.5 Suzuki Escudo Pikes Peak Special SPEC’01

O ano de 2001 marca a despedida  do Escudo Pikes Peak das competições. Com a primeira geração do Escudo fora de linha já há alguns anos, não fazia mais sentido para a Suzuki continuar a competir com um modelo que não era mais fabricado. Dessa forma, para a Race to the Sky, foi desenvolvido um novo carro, baseado na segunda geração do Vitara/Escudo e ao estilo dos carros que competiam no All Japan Dirt Trial Championship.

Suzuki Escudo para a Race to the Sky de 2001. Fonte: Suzuki [14].

Já para Pikes Peak, Tajima também apareceu com um novo carro, baseado nas linhas do hatch compacto Aerio/Liana para Nobuhiro Tajima.

Suzuki Aerio P950 Pikes Peak Special. Fonte: Suzuki [15].

Ainda assim, o Escudo fez sua última aparição em Pikes Peak pilotado por Yutaka Awazuhara. Nessa última aparição, o carro recebeu novos upgrades, agora com um motor H27A com 2.736 cm³ de deslocamento volumétrico, sistema anti-lag recalibrado e pneus 335/30 ZR17, para melhor se adaptar à pavimentação mista de terra e asfalto. Na aerodinâmica, a única mudança sensível foi a adição de dois scoops sobre o teto.

Fonte: Suzuki [14].

Sem a presença da Toyota, dessa vez a Suzuki era favorita para uma dobradinha, o que se concretizou nas sessões de treino, dominadas pelos japoneses. Durante a prova, Tajima imprimiu um ritmo forte com o novo Aerio P950 Pikes Peak, porém uma falha mecânica levou a um abandono faltando uma milha para a linha de chegada. Melhor sorte teve Yutaka Awazuhara, que com o antigo Escudo obteve a quarta posição geral, e a vitória na categoria Unlimited.

Resultados

Imagens:

[1]: 2013 E-RUNNER Pikes Peak Special – Nobuhiro Tajima. Fonte: https://sportscardigest.com/pikes-peak-hill-climb-2013-report-and-photos/2013-e-runner-pikes-peak-special-nobuhiro-tajima-5/.

[2]: Flying Suzuki. Fonte: https://www.flickr.com/photos/jimculp/7338859804.

[3]: モンスター田嶋 パイクスピークヒルクライム ヒストリー モンスタースポーツ MONSTER SPORT. Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=DHhAfBeXwPE.

[4]: Toyota Celica Pikes Peak // Rod Millen Dirt Record. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=zEjRq-VGjKw.

[5]: Twin-Engined & Terrifying: A Monster Suzuki. Disponível em: http://www.speedhunters.com/2014/04/twin-engined-monster-suzuki-escudo/.

[6]: GTOの神vsモンスター ’94全日本ダートラDクラス 丸和. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=ZFOxn-rXxyc&t=180s.

[7]: All Aluminum Space Frame. Disponível em: https://www.suzukisport-racing.com/english/product/al_frame/al_frame.html.

[8]: PIKESPEAK 1996 #1. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=g6mnauKMu9s.

[9]: 1997 Escudo Pikes Peak Special ’97 Information. Disponível em: https://www.suzuki.co.jp/dom4/motor/97/pk75a.htm.

[10]: Toyota Tacoma Pikes Peak 1998 pictures. Disponível em: https://www.favcars.com/toyota-tacoma-pikes-peak-1998-pictures-187729.

[11]: Suzuki NEW Escudo 2nd overall! Disponível em: https://www.suzuki.co.jp/dom4/motor/99/ahc2.htm

[12]: New machine “Suzuki Sports Twin Engine Cultus” debuts! !!. Disponível em: https://www.suzuki.co.jp/dom4/motor/00/2000/qt00_cltus.html

[13]: more evolved “Suzuki NEW Escudo Pikes Peak Special”! Disponível em: https://www.suzuki.co.jp/dom4/motor/00/2000/qt00_escud.html.

[14]: RACE TO THE SKY Final. Disponível em: https://www.suzuki.co.jp/dom4/motor/01/qtgr/8-2.htm

[15]: Suzuki Pikes Peak Challenge 2001. Disponível em: https://www.suzuki.co.jp/dom4/motor/01/pikes/index.htm.

Referências

Japanese ‘Monster’ tackles Pikes Peak. Disponível em: https://www.wheels.ca/news/japanese-monster-tackles-pikes-peak/

Nobuhiro Tajima. Disponível em: https://www.historicracing.com/driverDetail.cfm?driverID=5351

Nobuhiro Tajima. Disponível em: https://www.tajima-motor.com/e/ceo.html

SUZUKI’S TWIN ENGINE PIKES PEAK MONSTERS. Disponível em: https://drivetribe.com/p/suzukis-twin-engine-pikes-peak-RjQnD9dwQxuR9PQ-v7Kh9A?iid=BF6zmnOmQn6_ckaucj-N3Q

Twin-Engined & Terrifying: A Monster Suzuki. Disponível em: http://www.speedhunters.com/2014/04/twin-engined-monster-suzuki-escudo/

Suzuki’s Challenge to Pikes Peak and Its Evolution: History of Suzuki Pikespeak challenge. Disponível em: https://www.suzuki.co.jp/dom4/motor/01/pikes/history.htm

Executives. Disponível em: https://www.apev.jp/en/aboutus/profile.html

74th PIKES PEAK AUTO HILL CLIMB. Disponível em: https://www.suzuki.co.jp/dom4/motor/96/autohill.htm.

’96 “Suzuki Escudo Pikes Peak Special”. Disponível em: https://www.suzuki.co.jp/dom4/motor/96/autohil2.htm

1997 Escudo Pikes Peak Special ’97 Information. Disponível em: https://www.suzuki.co.jp/dom4/motor/97/pk75a.htm

1997 Escudo Specification. Disponível em: https://www.suzuki.co.jp/dom4/motor/97/pk75b.htm

1998 Queenstown Gold Rush International Auto Hill Climb “RACE TO THE SKY” Bulletin! Disponível em: https://www.suzuki.co.jp/dom4/motor/98/ahc1.htm

1998 Breaking news of Pikes Peak results! Disponível em: https://www.suzuki.co.jp/dom4/motor/98/ahc2.htm

2nd Queenstown Gold Rush International Auto Hill Climb: Escudo achieved overall victory for the second consecutive year! Disponível em: https://www.suzuki.co.jp/dom4/motor/99/ahc1.htm

The 77th Pikes Peak International Hill Climb: Suzuki NEW Escudo 2nd overall!Disponível em: https://www.suzuki.co.jp/dom4/motor/99/ahc2.htm

2000 Queenstown Gold Rush International Auto Hill Climb Bulletin: Suzuki Escudo achieved overall victory for 3 consecutive years! Disponível em: https://www.suzuki.co.jp/dom4/motor/00/ahc1.htm

SPECIFICATIONS: SUZUKI NEW ESCUDO PIKES PEAK SPECIAL. Disponível em: https://www.suzuki.co.jp/dom4/motor/00/2000/qt00essp.html

Suzuki Pikes Peak Challenge 2001. Disponível em: https://www.suzuki.co.jp/dom4/motor/01/pikes/machine.htm

Suzuki Grand Vitara Pikes Peak Special Specifications. Disponível em: https://www.suzuki.co.jp/dom4/motor/01/pikes/spec2.htm

Vídeos

1994 Pikes Peak International Hill Climb:

1995 Pikes Peak International Hill Climb:

SUZUKI ESCUDO PIKES PEAK SPECIAL Spec’1996 V6 2000 TWIN TURBO モンスター田嶋: https://youtu.be/uAy_ceZ1WYg

1996 Pikes Peak International Hill Climb

1998 Queenstown Gold Rush

1998 / 1999 Pikes Peak International Hill Climb

2001 Pikes Peak International Hill Climb

Leave a Reply

Your email address will not be published.